A família

As praças das cidades são realmente fascinantes. É um local democrático, onde todos passam e realizam as mais variadas atividades. Na minha cidade não é diferente.
Num domingo lá estava eu, sentado em um banco de uma bela praça, debaixo da agradável sombra de uma árvore. Observo, bem próximo dali, junto de outro banco, uma família, três no total, um homem, sua esposa e a filhinha que, num canto, acariciava um cão de pelagem clara e sujo de terra. Era possível notar a alegria do animalzinho em receber carinho e, também da criança em poder oferecê-lo. A mulher, com o cabelo preso no alto da cabeça, chinelo gasto pelo uso contínuo, dobrava algumas roupas que ali se encontravam. O homem, queimado do sol, barba por fazer, observava atentamente o jogo de futebol que acontecia logo ali, no campo central. Percebi que faziam daquela praça a sua moradia.
Do outro lado da praça, pessoas bebiam, comiam todo tipo de guloseimas, escutavam uma música barulhenta e em volume alto, tudo em abundância, enquanto aquela família não tinha se quer uma casa. Então eu começo a refletir sobre uma intrigante questão: até onde vai a desigualdade humana no mundo? Uma possível resposta me assusta.
O jogo acaba, a noite se aproxima e as pessoas começam a voltar para o conforto de seus lares. Já aquela família recolhe as latinhas deixadas pelo chão, guardando-as em uma sacola como se fossem uma preciosidade, talvez uma refeição para o próximo dia. Então se acomodam ali, naquele banco, para mais uma noite de sono na praça.

Aluno: Matheus Brandão dos Reis Oliveira 9º ano A
Crônica selecionada na estapa regional para a Olimpíadas da Língua Portuguesa.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s